segunda-feira, 30 de março de 2009

Caso encerrado

"É só para quem está na vida pública que existea opção de passar por cima das regras e exigir, em seguida, que não se toque mais na história"

Um bom momento para examinar com mais calma como funciona a cabeça dos políticos brasileiros é logo depois que eles dão por "encerrado" qualquer dos casos em que vivem se metendo. Como se sabe, é assim que resolvem praticamente tudo, quando a coisa fica feia: dizem que o assunto não existe mais, e pronto. O senador Tião Viana, do PT, fornece um exemplo admirável, no noticiário mais recente, das vantagens oferecidas por esse estilo de vida. Sabia-se que o senador, no começo do ano, disputara e perdera a presidência do Senado Federal para José Sarney e, mais ainda, para seu homem forte, Renan Calheiros; na ocasião, foi dito que ele estava do lado do bem. Sabe-se, agora, que fez uso de um bem público em proveito particular, e, quando foi descoberto, prometeu ressarcir o Erário da União. Feito isso, deu o episódio por "encerrado".

A vida seria uma maravilha se o cidadão comum pudesse se comportar da mesma maneira no seu dia a dia – se pudesse, por exemplo, ignorar o prazo de 30 de abril para entregar à Receita Federal sua declaração de renda. Na hora em que a Receita viesse para cima dele, e é certo que virá, prometeria entregar o documento mais tarde e daria o caso por "encerrado". Não se recomenda a ninguém fazer esse tipo de coisa; se fizer vai acabar arrumando, com cem por cento de certeza, uma tremenda dor de cabeça. É só para quem está na vida pública que existe a opção de passar por cima das regras e exigir, em seguida, que não se toque mais na história. É por isso, justamente, que vale a pena tocar em histórias como a do senador Tião Viana, pois é nessa hora, quando ele diz que o problema acabou, que o problema de fato começa. No seu mundo mental, a partir daí, está tudo bem – e se está tudo bem é claro que todos, ele e seus colegas, ficam à vontade para continuar na mesma batida.

Os fatos, no caso, são simples. Em um certo momento, algum tempo atrás, o senador Tião pegou um celular de propriedade do Senado Federal, cujas faturas mensais são pagas pelo público, e entregou à filha, para que ela o utilizasse durante uma viagem pessoal ao México. Abriu campo, com isso, para uma série de perguntas de ordem prática. Por que, em primeiro lugar, ele entregou à filha um objeto que não lhe pertence? Por distração não pode ter sido. O senador, pelo que se imagina, sabe o que é seu e o que não é; não sai por aí pegando os celulares dos outros para falar de graça e não gostaria nem um pouco se alguém fizesse a mesma coisa com ele. Mas um celular do Senado, no seu modo de ver as coisas, não é realmente do Senado – é dele, para usar como bem entender, no Brasil ou no México. Nesse ponto o senador Tião não faz nada que a maioria dos seus colegas não faça; estão convencidos de que os bens exigidos por eles para exercer as suas funções – automóveis, residências, passagens aéreas e tudo o mais que conseguem arrancar do Erário – servem para atender a sua conveniência pessoal. Se alguém lhes lembrar que esses bens pertencem ao patrimônio público – ou "ao povo brasileiro", como gosta de dizer o partido do senador Tião –, vai ser tratado como um débil mental. Em qualquer caso, acham que o assunto é "pequeno", o que nos leva à pergunta seguinte: se uma conta de celular com ligações do México, por exemplo, é algo "pequeno", por que o responsável por ela não a pagou do próprio bolso, logo de cara? Já que o público está condenado a pagar as despesas maiores, poderia pelo menos ser poupado das despesas menores. O senador Tião, naturalmente, não é um morto de fome; poderia muito bem ter pago as conversas da filha. Mas não quis. Só concordou, pelo que ficou demonstrado, quando o caso apareceu no noticiário.

Surgem, aí, mais perguntas. Quanto o contribuinte teria de pagar se essa história continuasse escondida? O senador Tião não diz; acha que ninguém tem nada a ver com isso, a partir do momento em que prometeu cobrir a despesa. Como não fala, permite que apareçam todas as adivinhações sobre o montante. O que se sabe é que o senador, segundo ele próprio informou, levantou um empréstimo, a ser quitado em 72 prestações, para pagar o que ficou devendo pela viagem mexicana do celular. Quem levanta um empréstimo de seis anos para pagar uma conta de telefone? Não se entende.

O comentário mais comum, diante desse tipo de questão, é que não adianta discutir as partes quando o problema está no conjunto. Mas o diabo não se interessa pelo conjunto; ele gosta, mesmo, é de lidar com as partes. Sabe, por longa experiência, que se cuidar bem delas o conjunto sempre acaba vindo, mais cedo ou mais tarde.

J.R. Guzzo
Jornalista da Revista Veja

Nenhum comentário:

Postar um comentário