terça-feira, 31 de março de 2009

31 de março

Hoje, li um texto interessante, assinado pelo ex ministro Jarbas Passarinho, o título é: "1964, o Brasil e o golpe preventivo".

Neste texto o ex ministro resume o que foi o "golpe de 1964", mas, o mais importante ele deixa para o final quando diz "O Brasil foi salvo de virar uma imensa Cuba".

Esta é a mais pura verdade e realidade a respeito do golpe de 1964. Claro que para os apaixonados, para os que "sofreram" em seus exílios na Franca, Portugal, Uruguai, Chile e outros bonitos lugares, isso pode soar como uma ofensa. A verdade é que os que "saíram fora" não "sofreram" coisa nenhuma, na realidade "saíram "para" não sofrer" como quem ficou e foi preso, execrado, humilhado, muitos até mortos.

Como o Brasil é "um país de todos", todos os espertalhões, todos os corruptos, todos os que gostam de levar vantagem em tudo. Até hoje, a classe política, cobra dividendos do "golpe de 1964". Recentemente, houveram inclusive pagamento de indenizações "milionárias" a pessoas que sequer ficaram pra ver os estragos, quanto mais participar da resistência. Os medrosos foram agraciados com dinheiro público suado do povo brasileiro porque fugiram. Isto é o fim da picada.

A única verdade em tudo isso é que, se não tivesse acontecido o golpe de 1964 e os posteriores 21 anos de ditadura militar, o Brasil estaria muito pior do que está hoje. Como disse Jarbas Passarinho, "seríamos uma Cuba gigante", governados por um bando de gente mais louca do os que estão hoje no poder.

A avidez com que hoje os políticos governam este país advem da fome que passaram nos 21 anos de ditadura em que podiam "morder" muito pouco ou quase nada, por isso, tanta corrupção e escândalos espocam todos os dias em nosso país.

Já imaginaram o Brasil, comunista, como seria?

Não há o que comemorar neste 31 de março de 2009, ninguém mais comemora a "revolução". Há apenas o que lamentar, sim, lamentar que neste pais, enorme, rico, onde "em se plantando tudo dá", ainda haja miséria, fome, violência desenfreada, corrupção, falta de cultura, um país onde se morre de gripe, malária, dengue, tuberculose, um lugar onde mesmo tendo um dos mais avançados centros de medicina do mundo, as pessoas morram nas portas e corredores dos hospitais, um lugar onde 90% trabalham para sustentar o luxo e a luxuria de 10% da população.

Nenhum comentário:

Postar um comentário